Grande Prémio Fundação EDP Arte 2004

2004
Álvaro Lapa

Júri
José Borges da Fonseca
Bernardo Pinto de Almeida
João Pinharanda
António Rodrigues
João Fernandes

O Grande Prémio Fundação EDP Arte 2004 foi atribuído a Álvaro Lapa. 

Álvaro Lapa é um dos nomes mais significativos da arte portuguesa da segunda metade do século XX e estabeleceu uma forte herança artística junto de sucessivas gerações.

Em Álvaro Lapa, a faceta de escritor confunde-se com a do artista plástico. Essa associação é fundamental para percebermos a lógica do seu trabalho, sempre fundamentada num conhecimento aprofundado do pensamento e da literatura romântica, simbolista, expressionista e surrealista e orientada para a tarefa de desmontar os códigos das disciplinas que cultiva, do comportamento humano em geral e, em particular, da sua posição individual no mundo, como considerou o júri.

A exposição do Grande Prémio EDP 2004, intitulada Álvaro Lapa: Obras-com-palavras e Paisagísticas, decorreu no Museu da Cidade, em Lisboa, ocupando os espaços do Pavilhão Branco e do Pavilhão Preto, entre 24 de novembro de 2006 e 28 de janeiro de 2007. Comissariada por João Pinharanda e produzida pela Fundação EDP em colaboração com o Museu da Cidade, apresentou mais de uma centena de pinturas e desenhos do artista, culminando na atribuição do prémio ao pintor e escritor Álvaro Lapa.

Biografia

lapa
O Caderno de Freud, 1976 (Obra da Coleção de Arte da Fundação EDP)

Álvaro Lapa nasceu em Évora, em 1939. O primeiro contacto com a pintura efetua-se através de aulas de desenho com António Charrua. Em 1956, fixa-se em Lisboa onde começa por se matricular na Faculdade de Direito e, mais tarde, na de Filosofia, licenciatura que apenas conclui em 1975. Em junho de 1961, efetua a sua primeira viagem ao estrangeiro, a Paris, onde estabelece contacto com pintores próximos do surrealismo e com a arte norte-americana. No seu percurso, a pintura e a escrita mantiveram caminhos paralelos, que se cruzaram frequentemente. A teoria da arte faz parte da sua obra literária, assim como a poesia e pequenas histórias de natureza surrealista. O reconhecimento da sua obra refletiu-se em exposições retrospetivas como as da Fundação de Serralves e da Fundação Calouste Gulbenkian. O artista faleceu em 2006, no Porto. 

Álvaro Lapa: alguns desenhos e pinturas

Exposição que decorreu no Museu da Eletricidade entre 18 de dezembro de 2015 e 21 de fevereiro de 2016. Fotografias: Miguel Baltazar.