A Fundação EDP é uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, criada em 13 de dezembro de 2004 pelo instituidor EDP – Energias de Portugal, S.A., tendo sido reconhecida em 24 de outubro de 2005.

A Fundação EDP obteve a sua declaração de Utilidade Pública em 4 de dezembro de 2009, estatuto esse que foi confirmado em 4 de fevereiro de 2013.

 

À data da sua criação, o património social inicial da Fundação EDP foi constituído:

a) Pelo imóvel designado Museu da Eletricidade e respetivos anexos, situado na Central Tejo- Avenida Brasília, em Lisboa;

b) Por outros imóveis que venham a ser doados pela EDP;

c) Pelo acervo museológico que constitui o espólio do Museu da Eletricidade;

d) Pelas obras que à data da constituição da Fundação EDP integravam o núcleo inicial da coleção de artes plásticas;

e) Pela contribuição financeira no montante de 5.000.000 de Euros, com que a EDP participou na sua qualidade de fundadora, já realizada;

f) Pelos bens, móveis e imóveis e obras de arte, que adquirir por compra, doação, herança ou delegação, a título gratuito ou oneroso;

g) Pelas contribuições, eventuais ou permanentes, que lhe venham a ser concedidas por quaisquer pessoas de direito publico ou privado.

O orçamento anual da Fundação EDP tem origem em transferências do Grupo EDP e em contribuições dos seus acionistas, bem como em receitas de algumas das atividades desenvolvidas pela Fundação EDP.

As contas da Fundação EDP são publicadas no Relatório e Contas de cada ano, as quais são submetidas a auditoria externa, cuja certificação e respetivo relato consta no final do Relatório e Contas.

Medição do Impacto social: modelo LBG

A Fundação EDP mede o impacto social das suas atividades através do modelo London Benchmarking Group (LBG), do qual o Grupo EDP é membro desde 2008. Este grupo de trabalho é constituído por mais de uma centena de grandes empresas europeias, e que tem como objetivo medir o retorno do investimento realizado em benefício da sociedade.

O modelo LBG, de adesão voluntária, permite que as empresas avaliem de modo mais coerente e rigoroso a forma como estão a promover o desenvolvimento da comunidade. E permite também que os acionistas do grupo, que dotam anualmente a Fundação EDP com a maior parte dos recursos financeiros ao seu dispor, confirmem os resultados dos seus investimentos em projetos das organizações culturais e sociais.

A todos os Parceiros da Fundação EDP é exigida a entrega trimestral de um relatório para medir os impactos e facilitar o desenvolvimento dos respetivos projetos.

(Saiba mais:www.lbg-online.netwww.corporate-citizenship.com)