40 localidades, mais de 35 artistas, 79 intervenções e 3 roteiros.


"Trazer conhecimento e outros tipos de relação com a comunidade, ocupando espaços que estão vazios, e que podem ser valorizados com arte pública". João Pinharanda, curador do programa Arte Pública Fundação EDP, falava de objetivos na conferência de imprensa de apresentação dos três primeiros guias de arte deste projeto da Fundação EDP, que envolve artistas nacionais e comunidades rurais. 

Presente já em cinco regiões - Algarve, Alto Alentejo, Ribatejo, Médio Tejo e Trás-os-Montes -, a ambição é de continuar a alargar a mancha de arte pelo país: surgirá um novo núcleo no Minho e dar-se-á início às intervenções no Médio Tejo, assinadas por artistas como Alexandre Farto (aka Vhils) e Manuel João Vieira. 

Em cada uma destas regiões, o trabalho dos artistas com as comunidades dá forma a um roteiro de arte pública. Os guias produzidos pela Fundação EDP dão a conhecer a viagem por cada um desses roteiros. Na loja do MAAT, estão já disponíveis os do Alto Alentejo, Ribatejo e Algarve, estando por ser lançados os de Trás-os-Montes, Médio Tejo e Minho. 

Na conferência de imprensa apresentaram-se intervenções, debateu-se a importância do street art em regiões com baixa densidade populacional e o processo criativo que acontece junto dos habitantes através de assembleias comunitárias. Na sala dos Geradores da Central, estiveram presentes artistas como XANA, João Seguro, Luis Silveirinha, Priscilla Ballarin, André NADA, Alecrim e Manuel João Vieira. 

 

 O belo da arte pode ser esta relação entre o artista e a comunidade, para construir um futuro melhor, XANA.

25 Jan 2018