O Programa EDP Solidária é a maior linha privada de investimento social em Portugal.

Promovido pela Fundação EDP desde 2004, tem como objetivo o apoio a projetos que melhorem a qualidade de vida de pessoas socialmente desfavorecidas e a integração de comunidades em risco de exclusão social.

Desde o seu início, o Programa EDP Solidária já apoiou a implementação ou manutenção de mais 350 projetos em todos os distritos do país. 

Em 2015, o EDP Solidária passou a estar estruturado em três programas anuais, com uma dotação total de 2,1 milhões de euros: Inclusão Social, Saúde e Educação. 

Os programas EDP Solidária Inclusão Social e EDP Solidária Saúde funcionam através de um processo de candidaturas realizado anualmente. As propostas são avaliadas por um júri independente. O Programa EDP Solidária Educação é desenvolvido diretamente com as instituições de ensino superior. 


 

Programa de investimento em projetos que têm como objetivo atenuar situações relevantes de carência ou de vulnerabilidade social, em particular intervenções que promovem a inclusão e o empreendedorismo sociais, e que se revelem sustentáveis.

Podem apresentar projetos todas as entidades nacionais legalmente constituídas e registadas, e entidades agrupadas num projeto comum, que não tenham sido apoiadas na edição imediatamente anterior ao ano da candidatura.


 

O Programa EDP Solidária Saúde apoia projetos que têm como objetivo melhorar as condições clínicas e sociais decorrentes de problemas de saúde, incluindo a reabilitação pontual de instalações muito degradadas de instituições prestadoras de cuidados permanentes de saúde, e a doação de equipamentos médicos que não sejam de consumo corrente e de utilização primária.

Os projetos podem ser promovidos por centros hospitalares/hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e também por IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social) que tenham instalações de cuidados permanentes de saúde devidamente licenciados pelo Ministério da Saúde.

 

O Programa EDP Solidária Educação premeia a meritocracia, através da atribuição de bolsas de estudo a estudantes universitários (1.º ciclo de Bolonha), com destaque para as áreas da Ciência, Engenharia e Gestão. A situação de carência social do aluno e a avaliação continuada do respetivo mérito determinarão a continuidade da bolsa.

Os candidatos são propostos exclusivamente por instituições de ensino nacionais, no âmbito de parcerias estabelecidas entre estas e a Fundação EDP.


 

Projetos